sábado, 9 de agosto de 2014

#24 - Que time é esse? - Esporte Clube Paraguaçuense

O último clube da nossa excursão na região oeste paulista foi fundado no dia 28 de novembro de 1965 com um nome diferente, mudando para o atual em 1981, suas cores são azul e branco, seu mascote é um pássaro azulão, seu único título foi a atual Série A-2 em 1993, mas não disputou a Série A-1 no ano seguinte devido a reformulação nas divisões do futebol paulista, ficou dez anos na divisão intermediária interpretando grandes jogos com diversos clubes tradicionais do interior paulista, sua última aparição no profissional foi na Segundona de 2007. O clube de hoje é o Esporte Clube Paraguaçuense, da cidade de Paraguaçu Paulista/SP (470 km de distância da Capital).


História

Fundado por funcionários da prefeitura, recebeu o nome de Esporte Clube Municipal. Com essa denominação, disputa seu primeiro campeonato profissional em 1966, pela Quarta Divisão da época (atual Segunda Divisão), repetindo o feito em 1967. Entre 1968 e 1970, participa da Terceira Divisão (atual A-3). Após um hiato, retorna na mesma divisão nos anos de 1975 e 1976. Entre 1977 e 1980, oscila nas divisões menores. Em 1981, surge para o Campeonato Paulista de Futebol o mesmo clube, mas com nova denominação: Esporte Clube Paraguaçuense.

Com maior apoio, o time participa da Série A-3 até o ano de 1992, onde conquista o direito de disputar a Série A-2 pela primeira vez em toda a sua história. Em 1993, logo em sua primeira participação, o Azulão do Vale surpreende a todos e conquista o título de campeão da Segunda Divisão (atual A-2) com uma goleada por 4 a 1 sobre o União Barbarense, no Estádio Carlos Affini, em Paraguaçu Paulista. Contudo, o que deveria ser motivo de muita comemoração terminou em frustração, pois, neste ano, houve uma reestruturação na fórmula de disputa nas divisões organizadas pela Federação Paulista de Futebol e o Paraguaçuense não subiu.

Após isso, o Paraguaçuense seguiu firme na Intermediária por mais algumas temporadas, mas não conseguindo repetir o feito de 1993 novamente. O clube era conhecido como um time bem encardido, principalmente quando jogava em Paraguaçu Paulista. O Azulão do Vale também interpretou jogos históricos, como a goleada por 7 a 0 sobre o São José EC na estreia da Série A-2 em 1996 e a vitória de 3 a 2 sobre o Noroeste em 1999, rebaixando o Norusca para à Série A-3 e se mantendo na divisão, além de vitórias sobre Noroeste (3x1 em 96), Ferroviária (4x2 em 97), XV de Jaú (3x1 em 97), Comercial de Ribeirão Preto (2x1 no Palma Travassos em 97), XV de Piracicaba (3x2 em 98), América (2x0 em 98), Corinthians de Presidente Prudente (4x1 em 99) e Botafogo de Ribeirão Preto (1x0 no Santa Cruz em 99).

Em 2002, o Paraguaçuense não conseguiu ter a mesma sorte e acabou sendo rebaixado para à Série A-3. A partir daí, seria marcada a pior fase da história do Azulão do Vale. No ano seguinte, o Paraguaçuense voltaria a fazer uma campanha negativa com incríveis 14 derrotas nos 14 jogos, sendo rebaixado para a Quarta Divisão do Paulista. Nas duas temporadas seguintes, o clube manteve a sina e sequer conseguiu a classificação para a próxima fase do campeonato. Em 2006, o time se licenciou do futebol, e retornou em 2007 para até hoje sua última aparição no profissional.

A última participação do Paraguaçuense em competições organizadas pela FPF foi em 2008, no Sub-20 da 2ª Divisão, onde não conseguiu a classificação para a próxima fase.

Fichas técnicas - Fase final da Intermediária/93

1ª Rodada - 07/11/1993

União Agrícola 1×0 Paraguaçuense
Local: Estádio Antônio Guimarães – Santa Barbara D’Oeste.
Juiz: Flávio de Carvalho
Renda: Cr$ 1.077.500,00
Público: 2.093
Gol: Vânder 36 do 2°.
Cartões amarelos: Miranda, Vanderlei, Marron, Chulapa, Paulo César, Alexandre Lopes e Cássio.
Cartões vermelhos: Barbosa e Haroldo.
União Agrícola: Birigui, Joãozinho, Édson Oliveira, Miranda e Dú (Vânder); Vanderlei, Rodnei e Marron; Barbosa, Careca (Dicão) e Chulapa. Técnico: José Carlos Serrão.
Paraguaçuense: Silvio, Carlos Alberto, Carlão, Jânio (Mozer) e Haroldo; Paulo César, Alexandre Lopes e Delém (Jorge Luis); Preta, Cássio e Fabinho. Técnico: Luis Carlos Martins.

2ª Rodada - 14/11/1993

Paraguaçuense 2×1 Francana
Local: Estádio Municipal Carlos Affini – Paraguaçu Paulista
Juiz: João Paulo Araújo
Renda: Cr$ 860.000,00
Público: 1.550
Gols: Delém 12, Ramón 28 do 1°; Fabinho 39 do 2°.
Cartões amarelos: Jânio, Castro, Valdeni, Mauricio e Luis Alberto.
Cartões vermelhos: Ramon e Pedrinho.
Paraguaçuense: Silvio, Carlos Alberto, Carlão, Jânio e Jorge Luis; Paulo César, Alexandre Lopes e Delém; Carlinhos Preta (Leandro), Cássio (Fabinho) e Toti. Técnico: Luis Carlos Martins.
Francana: Castro, Valdeni, Mauricio, Paulo Marcelo e Agostinho; Gérson, Géia (Donizete) e Luis Alberto (Índio); Ramon, Carlos Alberto e Pedrinho. Técnico: Nélson Martins.

3ª Rodada - 21/11/1993

Paraguaçuense 1×0 Comercial
Local: Estádio Municipal Carlos Affini – Paraguaçu Paulista
Juiz: Dionísio Roberto Domingos.
Renda: Cr$ 1.331.500,00
Público: 2.412 pagantes.
Gol: Carlos Alberto 29 do 1°.
Cartões amarelos: Carlinhos Preta, Fabinho e Marcelinho.
Cartão vermelho: Nilson
Paraguaçuense: Silvio, Carlos Alberto, Carlão, Jânio e Haroldo; Paulo César, Alexandre Lopes e Delem; Carlinhos Preta (Jorge Luís), Cássio e Toti (Fabinho). Técnico: Luis Carlos Martins.
Comercial: Rogério, Wallace, Nilson, Edson Fumaça c Ruben Furtembach (Valdo); Odair, Pereira e Júlio César; Miguelzinho, Silvinho e Marcelo Telinha (Nelsinho). Técnico: Afrânio Riul.

4ª Rodada - 28/11/1993

Comercial 2×1 Paraguaçuense
Local: Estádio Francisco de Palma Travassos – Ribeirão Preto.
Juiz: Joaquim Carlos Caetano.
Renda: Cr$ 2.567.000,00
Público: 4.795
Gols: Carlinhos Preta aos 14, Marquinhos 45 e Paulinho Taiúva 49 do 2°.
Cartões amarelos: Jânio, Alexandre Lopes, Carlão e Pianelli.
Comercial: Rogério, Valdo, Carlos, Edson Fumaça e Nelsinho; Odair, Pianelli e Júlio César; Miguelzinho, Volnei (Marquinhos) e Marcelo Telinha (Paulinho Taiúva). Técnico: Afrânio Riul.
Paraguaçuense: Sílvio, Carlos Alberto, Carlão, Jânio e Haroldo; Paulo César (Miel), Alexandre Lopes e Delem; Carlinhos Preta, Cássio e Tóti (Fabinho). Técnico: Luís Carlos Martins.

5ª Rodada - 05/12/1993

Francana 1×1 Paraguaçuense
Local: Estádio José Lancha Filho – Franca.
Juiz: José Leonardo Epíscopo Rosa
Renda: Não fornecida.
Gols: Alexandre Lopes 8 e Pedrinho 43 do 2°.
Cartões amarelos: Gérson, Silvio, Haroldo, Paulo César e Alexandre Lopes.
Francana: Castro, Valdeni, Maurício, Paulo Marcelo e Serginho; Gerson (Luis Alberto), Geia e Carlos Alberto; Ramon (Donizete), Loca e Pedrinho.
Técnico: Nelson Martins
Paraguaçuense: Sílvio, Carlos Alberto, Carlão, Jânio e Haroldo; Paulo César, Alexandre Lopes e Delem; Carlinhos Preta Cássio (Miel) e Tóti. Técnico: Luís Carlos Martins.

6ª Rodada - 12/12/1993

Paraguaçuense 4×1 União Agrícola
Local: Estádio Municipal Carlos Affini – Paraguaçu Paulista
Juiz: Oscar Roberto de Godói
Renda: Cr$ 2.695.000,00
Público: 4.944
Gols: Cássio 33 e 40, Dicão 47 do 1°; Cássio 30 e Delém 44 do 2°.
Cartões amarelos: Careca, Celso Luis, Haroldo, Miel e Cássio.
Cartão vermelho: Du.
Paraguaçuense: Silvio, Carlos Alberto, Carlão, Jânio e Haroldo; Paulo César, Miel e Delém; Carlinhos Preta, Cássio e Toti (Fabinho). Técnico: Luis Carlos Martins.
União Agrícola: Birigui, Joãozinho, Edson Oliveira, Kavasek e Du; Paulo Ben, Careca (Esquerdinha) e Vânder; Barbosa, Dicão (Celso Luis) e Chulapa. Técnico: José Carlos Serrão.

Fotos e vídeos de um passado valioso


Elenco campeão da Intermediária de 1993 (Foto: Estância News)
Elenco da Intermediária de 1994 (Foto: Pedro Luiz)
Elenco da Terceira Divisão de 1990 (Foto: Amarildo José)
Carlos Affini lotado em 1998 (Foto: Amarildo José)
Figurinha do Paraguaçuense no álbum do Paulistão de 1997 (Foto: Pedro Luiz)
Elenco do EC Municipal de 1968 (Foto: Amarildo José)
Primeiro elenco do EC Municipal em 1966 (Foto: Pedro Luiz)


Hino do Paraguaçuense:

Vitória histórica do Paraguaçuense sobre o Noroeste em 1999:


Goleada do Azulão sobre o Corinthians de Prudente em 1999:

A narração do jogo Paraguaçuense 4x1 União Agrícola em 1993:

Atualidade

Em meados de 2012 houve uma conversa com um grupo de empresários e a diretoria do Paraguaçuense sobre uma possível volta ao futebol, mas não saiu nada do papel. Atualmente, o presidente Jonas busca colocar o clube novamente no futebol, mas a prefeitura não pensa em ajudar nem um pouco para que isso ocorra. Infelizmente, só resta esperar e torcer para que alguém tenha a vontade de ajudar a reerguer esse clube tão simpático do nosso interior paulista.

2 comentários:

  1. O jogo contra o Noroeste foi o mais sacana de todos. A Paraguaçuense já estava matematicamente na A2, Juventus precisava que o Noroeste perdesse o jogo pra poder ficar na A2 e o Corinthians de Prudente já estava rebaixado. O que poderia ser um jogo de comadres (o que aconteceu no primeiro tempo depois de 1x1, com a Paraguaçuense inaugurando o placar), se tornou um desastre pro time de Bauru, que logo no começo do jogo tomou o segundo gol. Insistiu tanto que conseguiu novamente o empate, ficando na A2. Mas no final do jogo, fizeram 3x2 rebaixando o Noroeste pra A3.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando isso? Só um entre os dois se safaria da degola e o Noroeste só precisava de um empate pra se safar. Abriu dois a zero e tomou a virada no final do segundo tempo. Esse foi o ultimo suspiro de felicidade que o Paraguaçuense proporcionou, depois desceu ladeira abaixo.

      Excluir